HomeTestes e Reviews de MotosConfira 5 dicas para ligar a moto no frio

Confira 5 dicas para ligar a moto no frio [vídeo]

Ligar a moto no frio, especialmente em manhãs, pode ser uma tarefa árdua e suada – caso necessite de um tranco. Como em vários outros casos, eis mais um exemplo de situação em que o ideal é prevenir e não remediar, mas como ninguém está livre de imprevistos separamos algumas dicas que podem ajudar.

Veja também:

 

Moto no frio: o melhor é prevenir

São sete da manhã, você está atrasado para o trabalho ou àquele esperado passeio com amigos, pressiona o botão de partida e não tem ninguém em casa. Um dica importante para evitar que isto ocorra é destinada especialmente às motos flex.

Pilotar no frio requer roupas e cuidados especiais – foto: Carlos Kelm

Assim, se este é o seu caso, verifique o combustível, evitando altas concentrações de etanol. Além disso, independente de sua moto e cilindrada, use sempre óleo recomendado pelo fabricante e mantenha a bateria sempre (s-e-m-p-r-e) em boas condições.

Ela bate arranque, mas tá difícil de ligar a moto no frio

O problema é mais comum em motos carburadas, hoje praticamente extintas dos catálogos de lançamentos, mas ainda comuns nas ruas. Desse modo, motos alimentadas por carburador podem apresentar falhas na partida a frio, devido ao circuito do afogador.

Então, deve-se sempre usar o afogador quando as condições não forem favoráveis. Cada modelo tem suas características próprias nas partidas e o motociclista deve ter sensibilidade de quando deve, ou não, usá-lo. Dica importante: nunca acione o acelerador para ajudar na partida, mesmo nas carburadas.

1-  Evite trancos

Caso a moto não ligue, logo pensamos em fazê-la pegar no tranco, mas nem todas as motos ligam no susto. Isso porque é preciso ter condições de virar o motor sem travar a roda traseira.

O tranco pode ser uma alternativa, mas deve ser evitado

Assim, motos pequenas e monocilíndricas são mais propensas a pegar no tranco, mas tente apenas se tiver certeza de que a falha seja no sistema elétrico de partida e não em outros componentes, como na injeção eletrônica, por exemplo, senão será apenas perda de tempo e de calorias.

Desse modo, quem optar pelo tranco deve deixar a moto em segunda marcha. Motos grandes de um, dois ou mais cilindros são mais difíceis de ligar dessa forma, então definitivamente essa não é a melhor opção.

2 – Difícil de ligar a moto no frio? Cuidado com a chupeta

Muito cuidado com as chamadas “chupetas” para fazer ligar sua moto no frio, afinal há o risco real de tocar fogo na motocicleta. Execute o serviço só se tiver conhecimento do que está fazendo.

Andar de moto no frio exige cuidados. Mantenha a bateria sempre em bom estado, evite que a moto fique parada, tenha atenção com as velas. Também, rode equipado

Assim, conecte primeiro o cabo negativo, partindo do doador até um ponto de massa (terra) bem firme na sua moto e depois conecte o positivo, partindo do veículo doador da partida. Em seguida conecte a garra do positivo no terminal correspondente (positivo) da sua bateria. Só então acione a partida do veículo com problema.

Dada a partida, desconecte o polo positivo da moto com problema e em seguida do veículo doador. Se o motor não morrer pode ser que a bateria se recupere. Senão, uma carga lenta pode ajudar, antes de descartar definitivamente a bateria que estará condenada. Desse modo, ligar a moto no frio pode ser um problema, mas tenha sempre cuidado para não criar outros.

3 – Atenção com bateria e vela, a dupla dinâmica

Além da bateria, responsável por alimentar o sistema elétrico da motocicleta, é preciso estar atento ao estado de conservação das velas, afinal elas (ou ela) são quem conduzirá a faísca promovendo a explosão dentro do motor.

Se sua bateria estiver com problemas a melhor forma de “recuperá-la” é dar uma carga lenta. Faça isto em período de 12 a 24 horas, em baixa amperagem, o que irá variar entre 500mA a 1,5A, dependendo do tamanho da bateria. Nessa condição a carga se dará com maior propensão de se manter com energia.

Se ela não ressuscitar, troque. Esteja atento, afinal a bateria nova tem que ser compatível com a original quanto às dimensões, capacidade de carga e voltagem. A grande maioria dos modelos é de 12 volts, mas a amperagem/hora é o que varia.

Portanto, veja no código da sua bateria o número de Amperes/hora que está indicado (Ah). Também há diferenças quanto a qualidade na fabricação, sendo que as de melhor qualidade têm mais poder de partida no frio. Atenha-se às marcas com mais credibilidade no mercado.

4 – Não deixe a moto parada por muito tempo

Longos períodos em desuso serão prejudiciais à motocicleta. Ligue-a constantemente, mas caso seja preciso deixá-la mais de uma semana parada, desconecte a bateria – e se for carburada esvazie o carburador. Nas injetadas não há muito o que fazer a respeito da alimentação, mas quando for acionar a moto novamente verifique se os bicos funcionam. Se a moto falhar, não funcionar corretamente na lenta, uma limpeza pode ser necessária.

Lugar de moto é na estrada! Evite deixá-la parada por mais de uma semana. Aproveite e convide os amigos para um passeio

 

Aquela história de deixar a moto um tempo ligada parada (sem rodar) antes de pegar a estrada é quase um mito. Quase. Deixar o motor esquentando antes de rodar não é mais necessário em quase todas as motos em uso, mesmo assim, ande mais devagar no início e acione a embreagem uma ou duas vezes acelerando, para descolar os discos antes de engatar a marcha para sair.

Ligar o motor uma vez por semana é preciso para manter os dutos de combustível limpos. A nossa gasolina produz resíduos que são prejudiciais ao funcionamento do motor. Mais de uma semana parada já é tempo suficiente para gerar essa borra que entope e corrói o material das peças em contato. Alguns fabricantes mais competentes protegem melhor seus componentes do que outros contra a corrosão, mas contra os resíduos apenas a limpeza física ou química pode resolver.

 

Bônus: velas de irídio são boas?

Além disso, quando o assunto é vela é preciso ter atenção. A começar por utilizar modelo específico para sua motocicleta, informação que pode ser consultada no manual do proprietário. Ainda, quem procura por velas compostas por materiais nobres, configurando protudo de alto desempenho, pode optar pelas velas de irídio.

Geralmente conhecidas no mercado como ‘velas de iridium’ elas são o que há de mais moderno no segmento. O produto possui ponta de irídio, um metal nobre altamente resistente, e eletrodo central de 0,4 a 0,6 milímetros, proporcionando alta performance, além de aumentar a eficiência de queima do motor, proporcionando economia de combustível.

A vela de ignição da sua moto requer cuidados especiais

Segundo a NGK, marca referência no segmento, a Iridium também contribui para a redução das emissões de poluentes, além de apresentar maior durabilidade. Falando nela, a empresa possui um produto intermediário entre velas comuns e as de iridium, apostando no custo-benefício.

Trata-se da vela G-Power. Conforme informações oficiais da marca, o modelo é fabricado com metal nobre e possui ponta de platina, altamente resistente ao desgaste. Além disto, seu eletrodo central de 0,6 milímetros proporciona o que a fabricante chama de alta ignibilidade, ou seja, entrega partidas rápidas e respostas ágeis em aceleração.

Mas se o assunto de melhorar o desempenho de sua máquina lhe interessou, lembre-se de consultar qual o modelo de vela é específico para a sua motocicleta antes de fazer o investimento.

Veja mais em Motonline.com.br

Leia Também

close