HomeTestes e Reviews de MotosDiabo em duas rodas: uma insana Bandit personalizada

Diabo em duas rodas: uma insana Bandit personalizada

A Bandit é uma das mais icônicas séries de motos já produzidas pela Suzuki. Assim, suas naked de 250 a 1250 cilindradas fizeram sucesso em todo o mundo, inclusive no Brasil, especialmente nas versões 600/650 e 1200/1250.

São motos puristas, com motores volumosos, conjuntos potentes e sem adereços ou carenagens desnecessários. Então que tal criar uma Bandit personalizada que extraísse ainda melhor essa identidade ‘bad boy’? E o nome não poderia ser outro: Diablo.

bandit 600 personalizada

Que tal uma Bandit personalizada? A Diablo é uma das mais incríveis delas, uma autêntica cafe racer

 

Diablo: uma Bandit 600 personalizada

O projeto é da K-Speed, que há pouco tempo presenteou o mundo com outra insanidade, uma BMW G 310 R customizada. Não sei você, mas nós já somos fãs destes tailandeses. Quem assinou a obra foi Tanadit Sarawek.

O modelo escolhido para o trabalho foi uma Suzuki Bandit 600 1996. A ideia inicial era basicamente uma restauração, mas bastou alguns minutos diante do potencial esportivo da naked para que ela evoluísse a um projeto cafe racer repleto de foscos e personalidade.

Veja também:

 

O que há de novo

Desta forma, a calejada naked recebeu um escapamento curto 4×1 e perdeu seus filtros de ar originais. As laterais, rabeta e todos os outros adereços plásticos originais também foram retirados. O mesmo ocorreu com o assento.

bandit 600

Aqui tudo é novo. O farol, o semi guidão, a carenagem com uma pequena bolha

Em seu lugar, a equipe criou um banco monoposto, em estilo de sela. Curto, o novo equipamento é confeccionado em couro e tem um detalhado trabalho de costura. E ele combina com o tanque, claro. Este partiu do modelo original mas foi remodelado, se tornando mais longo.

detalhes suzuki bandit customizada

O assento monoposto foi instalado sobre um novo subchassi. Observe os detalhes das costuras

Houve mais algumas alterações técnicas. O subchassi é novo, assim como a balança traseira. Já sobre o motor (arrefecido a ar e óleo, de 599 cm³) a empresa não revelou se fez mudanças internas ou quais os números com os novos sistemas de alimentação e exaustão. Original, a Bandit 96 entregava 77 cv a 10.500 rpm e 5,6 kgf.m de torque a 9.500 rpm.

bandit cafe racer

O tanque foi alongado e recebeu nova pintura e grafismos

 

Uma nova Bandit 600

Naturalmente, esta Bandit ganhou algumas pitadas de modernidade. Assim, recebeu lanterna e setas (escondidas) em LED. O farol é da mesma tecnologia e teve seu design suavizado por uma grade que lhe cobre. Substituíndo o painel original Suzuki e seus mostradores analógicos, há uma pequena tela em LCD.

Original, a Bandit 600 1996 tinha pico de potência perto dos 80 cv. Mas o que mais importa mesmo é o som do quatro cilindros arrefecido a ar gritando alto

Freios ABS, controle de tração, modos de pilotagem, mapas de potência, nível de atuação do freio motor, uma IMU de diversos eixos. Tudo isto ficou de fora. Esta é uma moto purista, que despeja toda a potência de seu motor tetracilíndrico ao girar do punho, sem qualquer interferência eletrônica.

 

O diabo está nos detalhes

Há um ditado que diz isso e ele bem se aplica a este projeto. A Bandit 600 personalizada pela K-Speed é uma moto simples, sem extravagâncias técnicas ou visuais, mas admirável em cada um de seus detalhes. Nas costuras do banco, no formato da ponteira, nas curvas que o chassi exposto apresenta, nos semi guidões condizentes com a proposta cafe racer. É uma moto que adoraríamos ter na garagem.

Já pensou abrir a garagem todos os dias e dar de cara com esta Suzuki Bandit personalizada? Nós adoraríamos

Veja mais em Motonline.com.br

Leia Também

close