Motos: diferença entre freios ABS e CBS (combinados)

0
45

Para uma pilotagem segura é preciso saber usar os freios da moto corretamente. Mas calma, não estamos sozinhos nesta missão. Atualmente todas as motos vendidas no Brasil contam com sistemas auxiliares de frenagem, sejam eles combinados ou freios ABS.

E já faz algum tempo. Desde 2019 as motocicletas 0 km são obrigadas por lei a saírem de fábrica com algum dos dois sistemas. As de até 300 cilindradas podem optar pelo combinado (CBS, mais simples e barato), enquanto as com motor maior devem contar obrigatoriamente com ABS.

motos com freios abs

Os freios ABS podem salvar a sua pele (literalmente) em situações de emergência, mas os combinados (CBS) também ajudam. Veja as diferenças

 

Como surgiram os freios ABS no Brasil

Antes disso, a adoção dessas tecnologias era opcional e cabia apenas às fabricantes a decisão pelo uso – ou não – dos sistemas. Desta forma, era comum que mesmo motos grandes e pesadas fossem vendidas são opção por ABS. Por algum tempo, a Honda não oferecia o recurso sequer na big trail Transalp ou na naked Hornet. Já hoje a marca usa ABS até nos pequenos PCX e XRE 190, por exemplo.

honda hornet 600 não tem freios abs

Até pouco tempo atrás, freios ABS era um luxo para poucos. Sequer a CB 600F Hornet (com quase 100 cavalos de potência) tinha

 

Diferença: como funciona o freio ABS

Primeiro, o que são freios ABS? O Anti-lock Braking System (ou sistema de freios antitravamento) surgiu nos carros com a Mercedes, nos anos 1970, e levou quase 10 anos para chegar nas motos. A primeira a adotar a tecnologia foi a BMW K100, em 1988. Mas a história começou muito antes. Quem criou o ABS foi a também alemã Bosch, no longínquo ano de 1936.

k100 foi a primeira moto com abs

Da sua criação até adoção numa moto se passaram inacreditáveis 50 anos. Primeira motocicleta a usar o ABS foi a BMW K100, em 1988

Na teoria, seu funcionamento é simples. A missão do ABS é evitar que a roda trave e, assim, que o condutor perca o controle do veículo (que o carro rode na pista ou a moto perca o equilíbrio, por exemplo). Para isso, ele conta com sensores junto das rodas que aliviam a pressão exercida pelo sistema em momentos de frenagens fortes, a fim de manter a força na dose ideal.

Desta forma o freio funciona de forma suave, as rodas não travam e o piloto consegue manter a moto na trajetória. Veja demonstrações de frenagens com e sem ABS no vídeo abaixo.

 

 

Como funciona freio CBS

O freio combinado é completamente diferente, especialmente do ponto de vista técnico. Esqueça sensores e demais parafernalhas eletrônicas. A única semelhança com o ABS é o objetivo final: ajudar o motociclista (a parar em um espaço menor e até a evitar uma queda) ao impedir que as rodas travem.

Funcionamento do CBS é tão simples que sequer obriga o uso de disco de freio. Nele, ao acionar o pedal traseiro parte da frenagem é direcionada à roda frontal

Para isso ele distribui a força de frenagem entre as duas rodas quando o motociclista aciona o pedal de freio traseiro. Ou seja, os freios são literalmente combinados – daí o nome. Já ao usar apenas o manete dianteiro não há qualquer interferência na roda traseira.

Funciona assim: o piloto pisa no freio traseiro e automaticamente parte da força de frenagem (perto dos 30%) é enviada à roda dianteira. Desta forma, a moto reduz a velocidade com mais eficiência (já que o maior peso/força está sobre a dianteira) e diminui consideravelmente a possibilidade do travamento da roda traseira.

Veja também:

Freios CBS, Combi Brake, UBS e FH-CBS: o que muda?

Os freios combinados podem ter pequenas diferenças entre si e também acabam sendo rebatizados pelas próprias montadoras. Daí surgem diferentes nomes, mas todos têm o mesmo funcionamento básico.

A Honda adota o termo Combi Brake, que está estampado em modelos como a família CG. Já a Yamaha usa o UBS (Unified Brake System, ou sistema de freio unificado), encontrado no scooter Neo ou na street Factor. Há ainda siglas menos comum, como o FH-CBS que a Dafra usa na NH 190.

Atualmente, a Crosser é a única moto de 150/160 cc com freio ABS. Na baixa cilindrada, tecnologia também está presente em alguns scooter

 

Exemplos de motos com freios ABS

Relembrando: desde 2019 todas as motos 0km com 300 cilindradas ou mais devem sair da fábrica com freio ABS. Isto não é uma cortesia da marca ou diferencial de mercado, é lei. Mas também há casos em que as montadoras equipam motos menores com a tecnologia, com o objetivo de entregar um produto superior aos seus clientes – como o Yamaha Fluo ou a Honda XRE 190.

  • Vídeo: como frear a moto corretamente

 

Assim, são exemplos de motos com ABS: Honda ADV, X-ADV, CB 500F, CB 500X, XRE 300, Africa Twin, NC 750X; Yamaha Fazer 250, Lander, Crosser, linha MT, R-3, Tracer GT 900. Além disso, todas as BMW, Triumph, Ducati, Harley-Davidson e Suzuki, por exemplo.

Já entre as motos com freios combinados estão: Honda CG 160 (todas), Elite 125, Pop, Biz 110i, Biz 125; Yamaha Neo, Factor 125i, Factor 150, Fazer 150; Dafra Cruysim, Apache RTR 200, NH 190; todas da Haojue.

Alguns modelos oferecem as duas opções de freios. É o caso do PCX, que pode ser encontrado 0km com ABS ou CBS

E ainda tem algumas motos oferecidas com opções entre ABS e CBS, como as Honda CB Twister e PCX. Outro exemplo é o Citycom, da Dafra. Invariavelmente, as versões com CBS são sempre mais baratas – enquanto as com ABS são mais seguras, claro.

Veja mais em Motonline.com.br