HomeTestes e Reviews de MotosMotos usadas: 7 boas opções por até R$ 10 mil

Motos usadas: 7 boas opções por até R$ 10 mil

Sim, as motos novas estão mais caras em 2021. As seminovas também. Por isso, a procura por motos usadas baratas tem crescido consideravelmente nos últimos meses. Se você está no grupo de pessoas que querem comprar uma moto usada e tem até R$ 10 mil de orçamento, esta reportagem é para você.

motos usadas por até 10 mil - crosser

Lista de motos usadas por até R$ 10 mil tem opções de diferentes marcas, estilos e tamanhos. Claro que as trail não poderiam ficar de fora

 

 

Motos usadas por até R$ 10 mil

Aqui listamos 7 motos, de diferentes marcas e segmentos, que podem ser boas opções. Além disso, consideramos modelos que tenham de 5 a 10 anos de uso. Por fim, adotamos como parâmetro os preços da Tabela Fipe, que retratam um valor médio cobrado por lojas e particulares. Boa sorte na escolha.

Motos usadas por até R$ 10 mil

O que você procura? Modelo Preço (FIPE)
Robustez Honda CG 160 Titan 2016 R$ 10.930
Scooter Honda PCX 150 2015 R$ 10.486
Trail Yamaha Crosser 2014 R$ 8.259
250 cc Yamaha Fazer 2012 R$ 10.353
Scooter médio Dafra Citycom 300 2012 R$ 10.552
Exótica Kawasaki D-Tracker 2011 R$ 8.479
Esportiva Kasinski Comet GTR 250 2013 R$ 10.430

Veja também:

 

1 – A conhecida CG 160 Titan (R$ 10.930)

Começamos a lista de motos usadas por até R$ 10 mil quase extrapolando nosso valor máximo. Isto porque a Titan 160 2016 custa tem valor médio bem perto dos R$ 11 mil, mas ainda não chegou lá – ainda.

motos usadas por até 10 mil - cg 160 2016

A CG Titan 160 já tinha motor flex, rodas de liga e carenagens no tanque

O ano de 2016 foi muito importante para a família CG, pois marcou seus 40 anos de sucesso no Brasil. Foi nele que surgiu a CG 160 Start e que também foi lançada uma edição comemorativa da Titan em alusão ao aniversário de quatro décadas – já como modelo 2017.

Em 2016 também chegou a edição especial, celebrando os 40 anos da família CG. Mudanças são apenas estéticas, como as rodas em dourado

Assim, a Titan 160 2016 é quase gêmea da geração atual no ponto de vista mecânico. É movida por um motor flex, de 162 cm³ e 15,1 cv e 1,54 kgf.m (no etanol), conta com injeção eletrônica e partida elétrica. Os freios têm disco na dianteira, mas ainda não haviam recebido o sistema CBS. No visual, belas carenagens no tanque e rodas de liga leve.

 

2 – Scooter por até R$ 10 mil: PCX 2015 (R$ 10.486)

Em 2015, o PCX já era líder isolado nas vendas da categoria. Emplacou quase 23 mil unidades no calendário, contra pouco mais de 7 mil do segundo colocado, Lead 110 – o rival direto NMax viria só em 2016, mas sem ameaçar o primeiro lugar do PCX.

motos usadas por até 10 mil - pcx

Segunda geração do PCX chegou em 2015 (já como modelo 2016), trazendo mais conforto na suspensão traseira, farol em LED e tomada USB

Naquele ano estreou a segunda geração do scooter (já como modelo 2016), que trazia suspensão traseira mais confortável, novo visual e farol em LED. O painel também era novo, com tela LCD e indicadores analógicos. Outra novidade foi a adoção de tomada USB.

PCX de primeira geração já se destacava pela economia e equipamentos. Tinha, por exemplo, sistema idling stop

Apesar disso, o antecessor (modelo 2015) também tinha seus trunfos. O motor já possuía arrefecimento a líquido, gerava 13,6 cv e contava com o sistema idling stop (que desliga a moto em semáforos). A economia era outro ponto forte, registrando médias perto dos 40 km/litro. Relembre nosso teste.

 

3 – Trail: Yamaha Crosser 2014 (R$ 8.259)

A Crosser foi lançada em 2014, no embalo do mais recente sucesso da marca, Fazer 150. Assim, era (e ainda é) movida pelo mesmo motor da street, de 12,2 cv e 1,28 kgf.m de torque (gasolina), injeção eletrônica e sistema flex.

motos usadas por até 10 mil - crosser 2014

A Crosser chegou em 2014 aproveitando a base da Fazer 150. Deu certo

Aliás, de lá pra cá a pequena trail da Yamaha segue sem praticamente nenhuma alteração relevante. Já em 2014, seus principais atributos eram a suavidade do motor, bom nível de acabamento (incluindo painel e carenagens) e conforto, beneficiado pelo sistema de link na traseira. Veja o teste com a Crosser 2014.

 

4 – Moto 250: Fazer 2012 (R$ 10.353)

A busca por motos usadas fez com que essas também tivessem seus preços valorizados. Assim, atualmente há poucas motos 250cc com até 10 anos de uso que custem R$ 10 mil ou menos. Entre as opções está a Yamaha Fazer 2012.

motos usadas por até 10 mil - fazer 250

A Fazer 250 recebeu motor flex em 2016

Em 2012 o modelo já era um dos principais sucessos da marca no Brasil, com seis anos de mercado e bons números de venda. Estava em sua segunda geração (com visual inspirado na XJ6) e acabava de ganhar motor bicombustível, chamado de BlueFlex.

Visual bonito e arrojado,conta com pequena aba lateral para canalisar o vento sobre o motor arrefecido a ar

Segunda geração da street tinha visual inspirado na naked XJ6

Apesar das novidades, o propulsor entregava 21 cv de potência e 2,1 kgf.m de torque – números conhecidos até hoje, afinal as Fazer e Lander 2021 ainda adotam o mesmo motor. Além do visual e opção por rodar com etanol ou gasolina, a Fazer 2012 se destacava pela economia, conforto e confiabilidade, uma boa opção para moto do dia a dia e até pequenas viagens. Veja o teste.

 

5 – Scooter médio: Dafra Citycom 300 2012 (R$ 10.552)

Nossa lista de boas motos usadas por até R$ 10 mil não poderia deixar de fora os scooter médio. E nada melhor que apresentar o líder da categoria à época, Dafra Citycom 300 2012.

motos usadas por até 10 mil - dafra citycom

O Citycom foi um precursor no segmento de scooter médios no Brasil. Em nosso primeiro teste, surpreendeu pelo conforto, desempenho e estabilidade

O modelo chegou ao país dois anos antes e surpreendeu positivamente no nosso teste. Logo se tornaria líder de vendas em um segmento que só dez anos depois despertaria o interesse das marcas maiores, Yamaha e Honda, com o XMax 250 e Forza 350 – com lançamento previsto ainda para 2021

Este é o Citycom 300i, novo scooter apresentado pela Dafra em parceria com a SYM. Confira amanhã, 15 de setembro, a apresentação completa do Citycom 300i em Motonline.

Citycom pode ser uma boa opção para quem busca um scooter versátil e está com o orçamento curto

Ou seja, o Citycom era um precursor. Suas rodas grandes (de 16 polegadas) e vigor do motor de 23 cv de potência e 2,35 kgf.m de torque fazem dele ágil na cidade e apto para encarar rodovias, mesmo com garupa. Outros pontos fortes são o conforto e estabilidade, mas o consumo poderia ser melhor. No teste, fez médias na casa dos 25 km/litro.

 

6 – Moto usada rara, a Kawasaki D-Tracker 2011 (R$ 8.479)

Por pouco a D-Tracker X não é a moto mais barata da nossa lista mas, certamente, é a mais rara de ser vista em cidades e estradas. Isto porque a motard japonesa esteve no Brasil por apenas dois anos, 2010 e 2011, e nos deixou após emplacar míseras 377 unidades.

motos usadas por até 10 mil - kawasaki tracker

A D-Tracker é tão interessante quanto rara. Apesar da suspensão dianteira invertida, motor arrefecido a líquido e outras qualidades, modelo vendeu menos de 400 unidades no Brasil

Mas não se engane pelos números, ela tinha muitos atributos. Rodas raiadas de 17 polegadas, suspensão dianteira invertida (com 230 mm de curso) com regulagens e um grande disco de freio de 300 mm na dianteira. O motor era arrefecido a líquido, de 249 cm³ e entregava 22 cv a e 2,1 kgf.m de torque. Ainda tinha painel digital, injeção eletrônica e câmbio de seis marchas. Talvez, com muita sorte e persistência, você encontre alguma à venda.

 

7 – Moto esportiva barata: Comet GTR 250 2013 (R$ 10.430)

É possível comprar uma moto esportiva por até R$ 10 mil? Se você abrir mão de motores de quatro cilindros e marcas tradicionais, sim. Uma das opções viáveis é a Comet GTR 250, em seu ano de despedida, 2013.

motos usadas por até 10 mil - comet gtr 250

A Comet GTR 250 é uma opção que cabe no bolso de quem busca esportividade e tem apenas R$ 10 mil em caixa

Movida por um motor de 2 cilindros em V e 26 cv de potência máxima a 10.000 rpm, o modelo é diversão garantida em estradas sinuosas. Além do visual muito próximo da ‘irmã’ de 650cc, a esportiva se destaca pela suspensão dianteira invertida e freio a disco duplo na dianteira.

CometGT250R_400x

Modelo tem bom desempenho, com motor que gira alto e pode acelerar até acima dos 170 km/h

Um ponto contra está na ciclística, prejudicada pelos mais de 180 kg a seco. Mesmo assim, o top speed da Comet GTR 250 fica acima dos 175 km/h – nada mal para uma 250. Nós inclusive fizemos um teste com ela e suas principais rivais, Kawasaki Ninja 250R e Honda CBR 250 – veja aqui.

Veja mais em Motonline.com.br

Leia Também

close