HomeTestes e Reviews de MotosNão foi a G 310 R: conheça a primeira moto pequena da...

Não foi a G 310 R: conheça a primeira moto pequena da BMW

A G 310 R entrou para a história da BMW por diferentes razões. Foi a primeira desenvolvida em parceria com a indiana Bajaj, a primeira da era moderna abaixo das 500 cc, a primeira naked da marca a brigar no segmento das médias.

Mas engana-se quem pensa que ela foi a primeira ‘moto pequena’ da BMW. Este título pertence a outra motocicleta, quase esquecida entre tantos modelos e famílias lançadas pela empresa alemã desde a R32 dos anos 1920. O posto é da R2.

A G 310 R seria a primeira moto ‘pequena’ da BMW… se outra não tivesse surgindo OITENTA anos antes!

 

G 310 R não foi a primeira moto pequena da BMW

A R2 foi a primeira moto pequena da BMW, lançada há mais de 80 (oitenta!) anos antes da G 310R. O modelo veio ao mundo no longíquo ano de 1931, se aproveitando de uma nova lei do governo alemão. Segundo a regra, motos de até 200 cilindradas dispensariam o uso de carteira de motorista e o pagamento de impostos.

g 310 r em conceito

Conceito da BMW G 310 R surgiu em 2015 e rodou o mundo, participando dos principais salões

Entretanto, a motocicleta era cara e pouco eficiente. Seu motor de um cilindro, 198 cm³ e 6 cv tinha dificuldades para mover os quase 150 kg do modelo. Por isto poucos anos depois surgiu a R 20, com uma série de melhorias.

Eis a primeira moto pequena da BMW, a R2. Foi lançada em 1931, tinha motor de um cilindro, 198 cm³ e 6 cv

A novidade chegou ao mercado em 1937, com nova estrutura de chassi em aço e suspensão telescópica na dianteira. A bateria também foi realocada para melhor distribuição de peso e um motor totalmente novo surgiu. Com 192 cm³, o monocilíndrico entrega 8 cv e um desempenho mais empolgante.

O conjunto pesava 130 kg e ainda mantinha itens como freios a tambor e transmissão por eixo cardã. Porém, apenas um ano depois a lei alemã mudou e extinguiu as isenções para as motos pequenas, marcando a descontinuidade do veículo no mesmo calendário. Foi o fim precoce da R 20.

Com o fim das limitações de cilindrada, a R 23 tinha motor de um cilindro e 247 cm³. Porém, sua produção foi descontinuada quando a Segunda Guerra ganhou força na Europa

 

R23, a evolução

Ainda em 1938 a BMW lançou a substituta da R 20, a R 23. Livre das limitações para se encaixar na legislação anterior, o modelo podia entregar mais potência graças ao seu motor de 247 cm³. Pesando apenas 5 kg a mais que a antecessora, atingia os 100 km/h de velocidade máxima. Ela perdurou até 1940, quando a Segunda Guerra Mundial se alastrava rapidamente pela Europa.

 

O pós-guerra e a interessante R 24

Viu como a BMW teve uma família inteira de motos pequenas antes da G 310 R? Uma das mais interessantes é a R 24, um dos primeiros modelos da marca a sairem da fábrica depois que a empresa teve suas plantas tomadas pelas tropas aliadas, logo após a derrota da Alemanha no conflito.

Na época, a missão das montadoras era auxiliar seus países a se reerguerem social e economicamente. Por isto as grandes motos montadas até então cederam lugar a modelos pequenos, leves, econômicos e, especialmente, mais baratos. Foi naquele momento em que a motocicleta assumiu um papel que jamais perderia, o de ferramenta de mobilidade urbana.

r 24, antecessora da bmw g 310 r

Muito antes da G 310 R, a R 24 já tinha a missão de ser uma moto BMW econômica e barata. Assim, simplificou ao máximo sua receita e teve ótimos números de vendas

 

Como era a pequena moto da BMW

Foi neste contexto que surgiu a R 24. Sua missão era auxiliar a BMW (e seus fãs alemães) a reencontrarem o caminho do crescimento naqueles tempos sombrios.

Desta forma, a motocicleta lançada em 1948 seguia uma receita simples. A ideia era basicamente simplificar a R 23, abrindo mão de materiais nobres ou que estivessem em escassez no mercado, como o cromo.

Só em 1949, a pequena R 24 emplacou mais de 8 mil unidades. Econômica, barata e confiável, a precursora da G 310 R era um verdadeiro sucesso

 

Outras tecnologias também foram cortadas, como a suspensão de êmbolo na traseira (e assim ela passou a ser rabo duro, sem qualquer amortecimento atrás). Na dianteira, o garfo foi simplificado. Itens como os freios a tambor e o cardã foram mantidos sem qualquer alteração, tudo em nome da redução de custos.

Às vezes você precisa escolher entre uma moto barata e uma confortável. Em nome da redução de custos, a R 24 sequer tinha algum tipo de amortecimento na traseira

Já o motor, porém, teve alguns ajustes. Manteve os 247 cm³, mas entregava agora empolgantes 12 cv. Para ajudar o transporte entre as cidades, o tanque subiu de 9 para 12 litros. Como a ideia não era correr mas sim economizar, o funcionamento do conjunto foi reajustado para que atingisse ‘apenas’ 95 km/h de velocidade final.

O resultado foi um sucesso. Quando foi substituída pela R 25, em 1950, já somava mais de 12 mil unidades comercializadas. Seu melhor ano foi 1949, com mais de 8 mil registros. Depois vieram as R 26 e R 27, levando a família de monocilíndricas até 1966.

Anúncio publicitário da R24. Modelo ficou nas lojas de 1948 a 1950, enquanto a família de ‘pequenas’ monocilíndricas resistiria até 1966

 

BMW G 310 R surge oitenta anos depois

Desta forma, a BMW G 310 R não é a primeira moto ‘pequena’ da marca pois surgiu apenas 84 anos depois da R2. Sua primeira aparição foi em 2015, ainda como conceito, em diversos salões do mundo. Nos meses seguintes ela chegou ao mercado glogal, incluindo o Brasil.

Várias R24 em processo final de montagem, na Alemanha. Diferente de hoje, as motos eram praticamente todas montadas à mão

Sua missão em nada lembra a das R2 ou R 24. Foi desenvolvida num mundo globalizado, através de uma parceria com a TVS, uma das maiores fabricantes de motos na Índia. Aliás, mesma receita seguida por outras marcas europeis que se uniram com indianas, como as KTM e Bajaj.

A nova BMW G 310 GS na fábrica da BMW em Manaus

A evolução: aqui uma G 310 GS, derivada da naked G 310 R, após ser montada na moderna fábrica de Manaus (AM). Aliás, única fábrica de motos BMW fora da Alemanha

Desta forma, marcou o ingresso da BMW no crescente segmento das naked média, já habitado por nomes de diversas nacionalidades. Para garantir bom desempenho no nicho, a G 310 R precisava ter agilidade, conforto, força e economia. Para maior valor agregado, seu visual foi inspirado na grande S 1000 R, versão naked da superbike RR.

Veja também:

G 310 R, ágil e econômica

Logo no primeiro teste com o modelo nós comprovamos suas aptidões. A moto de entrada da BMW é leve e ágil como uma urbana deve ser e tem desempenho dentro do esperado na categoria. Destaque para seu irrepreensível comportamento em qualquer situação, bom nível de conforto (mérito também da suspensão invertida na dianteira e ajustes na mola traseira) e motor (monocilíndrico, que gera 34 cv de potência máxima) de funcionamento extremamente suave.

BMW G 310 R segunda geração preço

Segunda geração da BMW G 310 R chegou recentemente. Seu preço sugerido é de R$ 3.2900

A segunda geração da G 310 R chegou ao Brasil neste mês. As principais novidades estão no sistema de iluminação full LED, adoção do acelerador eletrônico (para respostas mais rápidas e menor cosumo) e embreagem deslizante, que evita o travamento da roda em reduções bruscas. As carenagens, cores e grafismos também mudaram. Atualmente, seu preço sugerido é R$ 32.900.

Veja mais em Motonline.com.br

Leia Também

close