HomeTestes e Reviews de MotosTest ride Honda CB 500F 2020: nova geração mais refinada

Test ride Honda CB 500F 2020: nova geração mais refinada

A nova CB 500F foi uma das principais atrações da Honda no último Salão Duas Rodas e agora está prestes a chegar às lojas, com início das vendas previsto para março. O modelo tem mudanças mecânicas, incluindo a adoção de embreagem deslizante e assistida, e também novidades no design.

Nova geração da Honda CB 500F tem visual mais agressivo e conta com avanços como painel inspirado na CB 1000R e embreagem assistida e deslizante

Nova geração da Honda CB 500F tem visual mais agressivo e conta com avanços como painel inspirado na CB 1000R e embreagem assistida e deslizante

O visual está mais agressivo, anguloso, fazendo questão de mostrar o motor e chassi – com um ar quase de streetfighter. Já a proposta do modelo segue a mesma, de entregar potência, segurança e conforto para o trânsito diário e diversão para uso em rodovias e viagens curtas. O preço sugerido é de R$ 26.900 e as cores disponíveis são vermelho perolizado, prata metálico e laranja metálico.

Nova CB 500F

Antes de falar sobre o que mudou e o que foi mantido na nova geração da CB 500F vale lembrar que a irmã CB 500X também mudou, recebendo novidades mais profundas que a naked, o que incluiu novas rodas e suspensões, por exemplo. E que, aos poucos, elas seguem caminhos diferentes para atender da melhor forma suas propostas específicas. Assim, já não compartilham mais os mesmos mapas de injeção, rodas, suspensões e sub-chassi, desenvolvendo componentes mais adequados ao uso que terão nas mãos de consumidores com necessidades diferentes.

nova-honda-cb-500f-2020-motonline-2

Test ride CB 500F 2020

Vamos começar pelo que há de novo e depois sobre como é acelerar o novo conjunto. O visual recebeu uma série de pequenas alterações nas carenagens, farol, para lama dianteiro, espelhos, cores e grafismos. No fim, resultou num produto com ar mais agressivo, bem distante da primeira geração da CB 500F, de 2014. O sistema de iluminação também passou a ser full LED, com farol, setas e lanterna traseira adotando a tecnologia.

Há um novo painel de instrumentos, totalmente digital e inspirado no modelo que equipa a CB 1000R. Completo, informa sobre consumo instantâneo, consumo médio, velocidade média, autonomia, velocidade, temperatura do motor, rotação (de duas diferentes formas visuais), trip A e trip B. O layout dá ênfase à marcha engatada e conta-giros, passando certa sensação de esportividade que é reforçada pelo ajustável shiftlight. Apesar de negativo (blackout), com o fundo em preto, o acrílico que o reveste tem muito brilho, o que pode acabar gerando reflexos que atrapalham um pouco a leitura sob o sol.

A capacidade do tanque cresceu de 16,7 para 17,1 litros e o guidão passa a ser de alumínio, mais leve e com concentração de massas centralizada. O sub-chassi também é inédito.

Motor

Segue o propulsor de dois cilindros paralelos, com comando de válvulas duplo no cabeçote (DOHC), com 471 cm³ e arrefecido a líquido. Também se mantém o número máximo de potência: 50,4 cv a 8.500 rpm. Porém, ele foi reajustado para atender às novas (e rigorosas) exigências da legislação de emissões de ruídos e poluentes sem perder cavalaria ou rendimento.

Longe de impressionar em alta rotação, motor enche rápido e garante boas saídas de curvas

Longe de impressionar em alta rotação, motor enche rápido e garante boas saídas de curvas

Para isso, ganhou novos comandos com lift maior, possibilitando mais curso na abertura das válvulas, e também caixa de ar maior. Para enriquecer a mistura, a injeção foi remapeada e o escape internamente redimensionado. Mudanças sutis e invisíveis, mas que geraram mais fôlego em baixas e médias rotações – o que faz o pico de torque, de 4,55 kgf.m, chegar antes, aos 6.500 rpm.

O câmbio também não mudou e segue com seis velocidades. Porém, agora conta com a bem-vinda embreagem deslizante e assistida, que evita o travamento da roda traseira mesmo em bruscas reduções de marchas e oferece um acionamento muito suave do manete.

Como é acelerar a nova CB 500F

Tivemos a oportunidade de rodar com a nova geração da CB 500F num trajeto de aproximadamente 100 quilômetros na região de Campos do Jordão (SP). Assim, percorremos trechos urbanos, de serras sinuosas e de largas rodovias.

Na rodovia seu torque e equilíbrio do conjunto fazem diferença. Mantém 120 km/h com bastante folga e baixa rotação, a 5.800 rpm

Na rodovia seu torque e equilíbrio do conjunto fazem diferença. Mantém 120 km/h com bastante folga e baixa rotação, a 5.800 rpm

Logo no primeiro contato o visual agrada, mostrando bom acabamento em cada detalhe – como na textura que imita fibra de carbono no plástico que reveste o farol. Depois, basta acelerar por alguns metros para ter a sensação de que se está com uma velha conhecida, afinal a ciclística bem acertada e o motor com progressão previsível passam segurança ao motociclista.

Falando nele, o propulsor está longe de impressionar, mas tem bom desempenho especialmente em baixas rotações. Elástico, pode ser usado até mesmo abaixo dos 2.000 rpm nas três marchas iniciais sem mostrar trancos. Enche rápido em saídas de curvas e cresce de forma linear, sem sustos, porém após os 6 mil giros a entrega de potência reduz e a pilotagem esportiva pode ser comprometida.

Consumo e desempenho em rodovia

A embreagem assistida cumpre seu papel com maestria, com acionamento muito suave e impedindo que a roda traseira trave mesmo diante de reduções abruptas. Da mesma modo, a ciclística ajudou, apresentando estabilidade em curvas de alta e baixa velocidades graças ao conjunto formado por suspensões, rodas e pneus.

Neste primeiro contato, o consumo da nova CB 500F chegou perto dos 30 km/litro. Mérito do remapeamento da injeção e ajustes no motor

Neste primeiro contato, o consumo da nova CB 500F chegou perto dos 30 km/litro. Mérito do remapeamento da injeção e ajustes no motor

O desempenho comprovou a vocação da nova CB 500F para uso em viagens. Em sexta marcha rodamos a 100 km/h (no painel) a 5 mil rpm e a 120 km/h a 5.800 rpm, com suavidade e baixa vibração. O consumo também obteve nota azul. Segundo o computador de bordo, na ocasião o modelo fez 24 km/litro com tocada mais esportiva e 27 km/litro com uso suave, em rodovia.

CB 500F 2020 – é uma boa opção?

Única naked de 500 cilindradas do mercado, a CB 500F segue sem uma concorrente direta… o que não significa que ela não tenha oponentes. Atualmente, disputa o gosto do consumidor tanto com motos um pouco menores, como Yamaha MT 03 (R$ 22.490, preço sugerido) e Kawasaki Z400 (R$ 23.290), quanto com modelos um passo acima, como Z650 (R$ 30.990) e MT 07 (R$ 35.490). Isso para falar apenas nas bicilíndricas.

Nesse segmento disputado, a 500 oferece agilidade para o trânsito urbano e fôlego para viagens, com bom torque para encarar rodovias sem medo de aclives ou ultrapassagens. Se não apresenta emoção em altas rotações, compensa com um conjunto equilibrado e consumo satisfatório. Lembrando, claro, que essas foram nossas primeiras impressões e que em breve pretendemos apresentar um teste completo.

Ainda existem outros fatores que podem pender a balança para a CB 500F na hora da compra. Por exemplo, o fato de sua marca ter mais de 1.000 concessionários no Brasil e do modelo sair da loja com três anos de garantia sem limite de quilometragem. Como a Honda a considera uma moto de alta cilindrada, também oferece o Honda Assistence (Assistência 24 horas válido em cinco países do Mercosul) durante toda a vigência da garantia.

Estável, gostosa de pilotar e 2 kg mais leve nessa geração

Estável, gostosa de pilotar e 2 kg mais leve nessa geração

Ficha técnica CB 500F 2020

Motor

Tipo DOHC, Dois cilindros, 4 tempos,
refrigeração líquida
Cilindrada 471 cc
Diâmetro x Curso 67,0 x 66,8 mm
Potência máxima 50,4 cv a 8500 rpm
Torque máximo 4,55 kgf.m a 6500 rpm
Alimentação Injeção Eletrônica PGM-FI
Taxa de compressão 10,7: 1
Câmbio Seis velocidades
Embreagem Deslizante assistida. Multidisco em banho de óleo
Partida Elétrica
Combustível Gasolina

Chassi

Tipo Diamond frame
Suspensão dianteira / curso Garfo telescópico / 120 mm
Suspensão traseira / curso Pro-Link / 119 mm
Freio dianteiro / diâmetro Disco / 320 mm
Freio traseiro / diâmetro Disco / 240 mm
Pneu dianteiro 120/70 ZR17M/C (58W)
Pneu traseiro 160/60 ZR17M/C (69W)

Dimensões

Comp. x largura x altura 2081 x 792 x 1056 mm
Distância entre eixos 1409 mm
Distância mínima do solo 144 mm
Altura do assento 789 mm
Capacidade do tanque (reserva) 17,1 L. (reserva 3,2 L)
Óleo do motor 3,2 L (2,5 L para troca)
Peso seco 176 kg

vinheta-instagram_10

Veja mais em Motonline.com.br

Leia Também

close