Dakar: Os 27 portugueses que terminaram o maior Rally do mundo!

0
66
Dakar: Os 27 portugueses que terminaram o maior Rally do mundo! thumbnail

O Dakar é a prova raínha do Todo o Terreno mundial. Desde 1979, pilotos de todo o planeta lançam-se no desafio de tentar chegar à meta desta exigente maratona.

Atualmente a disputar-se na Arábia Saudita, não nos podemos esquecer das 30 edições realizadas no continente africano, às quais se somam 10 edições na América do Sul.

Mas, ao longo destes 44 anos, quantos portugueses se podem orgulhar de terem terminado o Rally Dakar numa moto?

O Offroad Moto publica hoje os nomes e os resultados dos 27 lusos que deixaram o seu nome registado nas classificações do mais prestigiado Rally Raid em todo o mundo. 

Para fazer honra aos pioneiros, a ordem desta lista é cronológica.

António Lopes (Foto: Motojornal)

António Lopes
Apesar de não ter chegado à meta, o nome de António Lopes é incontornável. Em 1991, aos comandos de uma Honda Africa Twin, foi o primeiro português a participar no Dakar de moto. Infelizmente, não conseguiu concluir a prova devido a problemas mecânicos quando ocupava a 20ª posição da classificação geral e liderava a classe Maratona.

Foto: Facebook Pedro Amado

Pedro Amado
28º em 1992

No ano seguinte à estreia de António Lopes, Pedro Amado tentou a sua sorte e conseguiu tornar-se no primeiro português a chegar ao fim do Dakar. O piloto da Yamaha terminou na 9.ª posição na classe Maratona.

(Foto: Facebook Bernardo Villar)

Bernardo Villar
23º em 1994
14º em 1995
16º em 1999
9º em 2000
10º em 2001
15º em 2002 (venceu 1 etapa)

Bernardo Villar fez a sua primeira participação em 1994. Foi um dos primeiros pilotos a cativar o interesse e o patrocínio de grandes marcas externas ao mundo do motociclismo como a Actimel. Sempre muito consistente, as 6 vezes que terminou o Dakar foram um record nacional que só foi quebrado em 2013 por Hélder Rodrigues.

Paulo Marques chegou a escrever um livro com várias histórias da sua participação no Dakar

Paulo Marques
15º em 1995
8º em 1997 (venceu 1 etapa)
65º em 2000
12º em 2001
10º em 2002

Paulo Marques estreou-se no Dakar no mesmo ano de Bernardo Villar mas foi em 1995 que concluiu pela primeira vez a prova. O piloto de Vila Nova de Famalicão foi o primeiro português a vencer uma etapa, ao triunfar no penúltimo dia da edição de 1997.

(Foto: Facebook Carlos Ala)

Carlos Ala
34º em 1999
19º em 2001
74º em 2007

(Foto: Facebook Miguel Farrajota)

Miguel Farrajota
14º em 2000

Na sua única participação no Dakar, Miguel Farrajota esteve em bom plano apesar de uma grave queda sofrida na 6ª etapa.

(Foto: Facebook Mário Brás)

Mário Brás
48º em 2000

(Foto: Facebook Elisabete Jacinto)

Elisabete Jacinto
49º em 2000
56º em 2001

Foi nas motos que começou a história de Elisabete Jacinto no Dakar. Quem não se lembra da KTM com patrocínio da Trifene 200? A piloto concluiu a prova duas vezes consecutivas e ajudou a escrever a história de sucesso das mulheres na mítica prova em África.

(Foto: Facebook Pedro Machado)

Pedro Machado
57º em 2001

(Foto: Facebook Rodrigo Amaral)

Rodrigo Amaral
17º em 2002

(Foto: Facebook Hélder Rodrigues)

Hélder Rodrigues
9º em 2006
5º em 2007 (venceu 2 etapas)
5º em 2009 (venceu 1 etapa)
4º em 2010
3º em 2011 (venceu 1 etapa)
3º em 2012 (venceu 1 etapa)
7º em 2013
5º em 2014
12º em 2015 (venceu 2 etapas)
5º em 2016 (venceu 1 etapa)
9º em 2017

Muito poucos pilotos se podem orgulhar de ter um palmarés como o de Helder Rodrigues no Dakar. O piloto de Sintra terminou 11 vezes a prova (um record nacional), 7 das quais dentro do Top 5. É o português com mais vitórias em etapas deste mítico Rally e o único a ter terminado mais do que uma vez no pódio.

(Foto: Facebook Paulo Gonçalves)

Paulo Gonçalves
25º em 2006
23º em 2007
10º em 2009
26º em 2012
10º em 2013
2º em 2015
6º em 2017

Paulo Gonçalves foi o único piloto “da frente” a ter participado em moto nos três “capítulos” do Dakar: em África (2006 e 2007), na América do Sul (2009 a 2019) e na Arábia Saudita (2020). Foi durante muitos anos o principal piloto da Honda HRC e o seu melhor resultado foi o 2.º lugar conquistado em 2015 – igualando o feito de Rúben Faria dois anos antes. Infelizmente, o “Speedy” perderia a vida no dia 12 de Janeiro de 2020 quando disputava a 7.ª etapa do Dakar na Arábia Saudita.

(Foto: Facebook Rúben Faria)

Rúben Faria
35º em 2006 (venceu 1 etapa)
Em 2007 venceu 1 etapa mas não terminou
11º em 2010 (venceu 1 etapa)
8º em 2011
12º em 2012
2º em 2013
6º em 2015

Como muitos outros lusos, Rúben Faria estreou-se no Dakar no ano em que a prova arrancou de Lisboa. O algarvio deu nas vistas em 2006 e 2007 ao vencer uma das etapas realizadas em Portugal em cada uma das edições. Paulatinamente, Faria foi evoluindo nos seus resultados e, em 2013, tornou-se no primeiro piloto português a subir ao degrau intermédio do pódio.

(Foto: Facebook Nuno Mateus)

Nuno Mateus
32º em 2007

(Foto: Facebook Pedro Bianchi Prata)

Pedro Bianchi Prata

  • 103º em 2007
  • 30º em 2009
  • 30º em 2010
  • 30º em 2011
  • 42º em 2012
  • 58º em 2013
  • 29º em 2014
  • 80º em 2016
  • 57º em 2017
  • 105.º em 2022

Pedro Bianchi Prata é o segundo português que mais vezes terminou o Dakar. O experiente piloto chegou ao fim do mítico a Rally Raid em 9 ocasiões, 4 das quais dentro do lote dos 30 primeiros.

Pedro Oliveira
26º em 2011
24º em 2014

Rui Oliveira
53º em 2011
53º em 2017

(Foto: Facebook Fausto Mota)

Fausto Mota
54º em 2011
49º em 2014
43º em 2018
29º em 2019
31º em 2020

Fausto Mota terminou todas as cinco edições do Dakar em que participou, mostrando uma consistência que o levou a evoluir os seus resultados de ano para ano.

(Foto: Facebook Mário Patrão)

Mário Patrão

  • 30º em 2013
  • 30º em 2014
  • 13º em 2016
  • 20º em 2017
  • 32º em 2020
  • 42.º em 2022 (6.º Malle Moto)

Mário Patrão fez a sua primeira participação no Dakar em 2013 e, três anos depois, alcançou o seu melhor resultado até hoje, um 13.º posto. Infelizmente, o piloto de Seia viu-se afastado da edição de 2021 devido a uma fractura numa perna a um mês do início da prova mas voltou em 2022 para cumprir um sonho: fazer o Dakar na classe “Original by Motul”, também conhecida por “Malle Moto”, ou seja, os pilotos que participam sem qualquer assistência externa.

(Foto: Facebook Hero Motosports)

Joaquim Rodrigues

  • 12º em 2017
  • 17º em 2019
  • 11º em 2021
  • 14.º em 2022

Joaquim Rodrigues teve uma ótima estreia no Dakar em 2017 ao concluir a prova na 12.ª posição. Infelizmente, uma grave lesão sofrida na edição de 2018 levou a um longo processo de recuperação que afetou a sua prestação em 2019. Infelizmente em 2020, o piloto de Barcelos enfrentou o falecimento do seu cunhado Paulo Gonçalves em pleno deserto mas voltou em 2021 para lutar contra os seus traumas e alcançou o melhor resultado da sua carreira.

Gonçalo Reis
26º em 2017

Fernando Sousa Jr.
42º em 2017

Miguel Caetano
69º em 2019

(Foto: Facebook António Maio)

António Maio

António Maio estreou-se no Dakar 2019 na América do Sul mas a sorte não esteve do lado do “Capitão”. Forçado a abandonar na 7.ª etapa quando ocupava o 21.º posto, o alentejano voltou em 2020 para terminar a prova na Arábia Saudita no 27.º lugar. Em 2022, o piloto da Yamaha foi de uma consistência digna de registo e concluiu a prova “à porta” do Top 20.

(Foto: Hero Motosports)

Sebastian Bühler
20º em 2019
14º em 2021

O luso-germânico é um dos próximos grandes valores dos Rally Raids a nível mundial. 20.º na sua estreia no Dakar em 2019, Sebastian Buhler integrou a equipa oficial da Hero Motosports no ano seguinte e em 2021 logrou um excelente 14.º lugar aos 26 anos de idade. Infelizmente, Bühler falhou a edição de 2022 devido à fractura de um fémur e de um pulso no Abu Dhabi Desert Challenge.

(Foto: RallyZone)

Rui Gonçalves

Depois de 17 anos a competir no campeonato do mundo de Motocross, Rui Gonçalves ingressou nos Rally Raids em 2020. Aos comandos de uma Sherco oficial, o transmontano fez o seu primeiro Dakar em 2021 e concluiu a prova a 19.ª posição e em 3.º entre os “rookies”. RG tem um futuro auspicioso pela sua frente.

(Foto: Club Aventura Touareg)

Alexandre Azinhais

69º em 2022

O algarvio fez a sua estreia no Dakar em 2021 mas na quarta etapa ficou fora da classificação devido a um motor partido e teve de continuar na classe “Dakar Experience”. Em 2022, Alexandre Azinhais “vingou-se” e foi até ao fim da prova, concluindo a mesma na 69.ª posição.

Arcélio Couto

80º em 2022

Na sua estreia no Dakar em 2022, Arcélio Couto concretizou o sonho de chegar à meta em Jeddah, conseguindo fazê-lo na 80ª posição da classificação geral e 26º entre os “rookies”.



Veja mais em MOTORSPORTS.PT