HomeBlogMotocross Feminino: conheça o universo das mulheres radicais

Motocross Feminino: conheça o universo das mulheres radicais

O Motocross Feminino ainda é, de certa forma, uma “novidade” no motocross. Apesar de o Mundial de Motocross Feminino ter sido criado em 2005 e de diversas outras competições voltadas ao sexo feminino existirem há muito tempo, esse não foi sempre o caso.

Apesar do esporte existir desde de 1924, foi só no começo da década de 1950 que as mulheres começaram a competir.

Quer saber mais sobre a história do motocross feminino e conhecer algumas das principais pilotos que estão quebrando barreiras hoje? Então dê uma olhada no texto a seguir! Boa leitura!

CB 450 DX: relembre o último teste do modelo (com ficha técnica)

Motocross feminino: conheça a história da categoria

O motocross começou aproximadamente em 1924, na Europa, e se espalhou muito rapidamente pelo mundo, chegando até os Estados Unidos através da imigração de famílias buscando por trabalhos e oportunidades no novo continente.

A entrada das mulheres no esporte, entretanto, começou por volta do começo dos anos 1950 e 1960, quando as primeiras ligas femininas começaram a ser organizadas.

A participação feminina no esporte aconteceu em grande parte por conta dos movimentos feministas da época, que exigiam que as mulheres tivessem igualdade de oportunidades e que ajudassem o esporte a crescer bastante.

Em 1971, Kerry Kleid foi a primeira mulher a receber uma licença de piloto profissional de motocross, que foi revogada depois que se descobriu que ela era uma mulher!

Como na ficha de inscrição para a licença não havia opção de gênero, a pessoa que fez o registro não fazia ideia de que ela era uma mulher.

Quando ela apareceu para correr pela primeira vez, em Unadilla, ela foi impedida de correr, pois era uma mulher.

A partir desse acontecimento, Kerry recorreu à justiça e, eventualmente, conseguiu a sua licença novamente.

Esse foi o primeiro momento da história em que ficou entendido que as mulheres também poderiam ser pilotos profissionais no mundo do motocross.

Com isso, em 1974, o primeiro campeonato femino de motocross aconteceu e essa foi a primeira vez que houve um campeonato especialmente desenhado para mulheres.

A partir daí, o campeonato começou a acontecer anualmente até hoje, sendo que somente em 1982 e em 1986 algumas corridas não aconteceram.

Em 1996, foi criada a Women’s Motocross League (WML), ou a Liga de Motocross Feminino, logo após o primeiro Campeonato de Supercross Feminino, em 1995.

Com a categoria ganhando cada vez mais reconhecimento, finalmente a inscrição de mulheres foi aceita no AMA Pro Motocross Championship, que passou a ter corridas mistas, com homens e mulheres competindo pelo primeiro lugar.

Isso levou à criação da Associação de Motocross Feminino, que foi fundada em 2004 e levou a criação do primeiro Campeonato Mundial de Motocross Feminino em 2005.

No Brasil, ainda demorou um tempo para que uma categoria nacional feminina fosse criada, mas em 2010, nasceu o Campeonato Brasileiro de Motocross Feminino.

Conheça os principais campeonatos de motocross feminino

De maneira geral, para o público Brasileiro, os principais campeonatos de motocross feminino são o Mundial de Motocross Feminino e o Campeonato Brasileiro de Motocross Feminino.

Entenda um pouco mais sobre cada um desses campeonatos a seguir:

Campeonato Mundial de Motocross Feminino

O Campeonato Mundial de Motocross Feminino, ou Womens Motocross World Champion, foi criado em 2005 justamente para dar mais visibilidade às mulheres no esporte.

Ele ocorre anualmente, com diversas fases ao redor do mundo e já consagrou diversos nomes na história do motocross, como Stephanie Laier e Kiara Fontanesi.

Campeonato Brasileiro de Motocross Feminino

Já o Campeonato Brasileiro de Motocross Feminino é um pouco mais recente, criado em 2010.

Dentre os principais nomes revelados por esse campeonato está a gaúcha Maria Basso, uma das revelações do motocross nacional, com títulos regionais, nacionais e continentais.

Quais são os grandes nomes do motocross feminino?

motocross feminino grandes nomes

Confira a seguir um pouco mais sobre a história de alguns dos maiores nomes do motocross feminino no Brasil e no mundo:

Lívia Lancelot

Nossa lista não poderia começar com ninguém que não fosse a lendária Livia Lancelot, uma piloto francesa, natural da cidade de Saint-Denis.

Ela precisa estar nessa lista pois foi a primeira ganhadora do Campeonato Mundial de Motocross Feminino, em 2005, sendo que também ganhou o campeonato outra vez em 2016.

Stephanie Laier

Nascida na Alemanha em 1985, Stephanie Laier é um destaque na lista de mulheres premiadas e reconhecidas do motocross mundial.

Sua primeira participação em competições aconteceu em 2001 e desde então ela conquistou tanto o AMA quanto a FIM Women ‘s World Motocross Champion diversas vezes.

Kiara Fontanesi

Kiara Fontanesi, por outro lado, é uma piloto italiana que compete no Campeonato Mundial de Motocross Feminino desde 2011.

Ela obteve seu primeiro título em 2007, o The Loretta Lynn ‘s Vault, e foi uma das vencedoras mais jovens de um campeonato universal, com apenas 18 anos de idade.

Desde então, ela já ganhou o FIM Women ‘s World Motocross Champion 6 vezes (até agora) e 12 Grand Prix.

Ashley Fiolek

Ashley Fiolek, por outro lado, é uma piloto americana, nascida em 1990 e que começou a correr com apenas sete anos de idade.

Em 2008, ela foi a primeira piloto de motocross a estampar a capa da TransWorld Motocross.

Além disso, ela estabeleceu diversos recordes no esporte durante a sua carreira, que teve cinco anos de duração.

Também foi a primeira profissional surda a competir na categoria feminina e, dentre as suas muitas conquistas, o destaque vai para o WMA Pro National Champion, que ela ganhou por 4 anos consecutivos.

Tarah Gieger

Tarah Gieger é oito vezes medalhista do X Games, sendo uma das mulheres mais premiadas da história do motocross mundial.

Nascida em Porto-Rico, ela começou no surf, mas a partir dos 10 anos de idade o seu interesse pelo motocross começou a crescer mais e mais.

Em 2003, ela se tornou uma piloto profissional e, cinco anos depois, venceu a primeira corrida de supercross feminino do maior torneio radical do mundo.

Mariana Balbi

Já Mariana Balbi foi uma das primeiras mulheres brasileiras a se destacar no AMA, no ano de 2006.

Antes, ela só competia contra homens, pois não existia categoria feminina de motocross no Brasil até então.

Conclusão

As mulheres cada vez mais vem conquistando espaço dentro do motocross no mundo, entretanto, apesar da criação do Campeonato Mundial de Motocross Feminino ser bastante recente, a história das mulheres no esporte é de longa data.

Como vimos, as mulheres começaram a criar competições para si mesmas no começo dos anos 1950, sendo que os primeiros grandes campeonatos aconteceram por volta dos anos 1970, nos Estados Unidos.

E aí? Gostou de saber mais sobre a história do motocross feminino? Então conte pra gente aqui nos comentários!

Virago 535: review com teste, consumo, ficha técnica e mais

Leia Também

close